Dia Dos Namorados: 1 Amor

Hoje vou contar um pouco da história da minha vida. Que na minha opinião sempre foi uma comédia e hoje é uma comédia romântica.



Era uma vez uma garota de 10 anos que decidiu que nunca iria casar. Quando ela completou 13 anos e algum tempo depois deu seu primeiro beijo, um evento que era para ser mais um, deu um rolo tão grande, que fez a menina desistir de namorar e criou a regra dos 5, nunca ficava mais do que 5 vezes com um mesmo garoto. Aí você pergunta: "mas ela não era falada, cocota?". Não, porque ela sempre achou que tinha que se valorizar sempre se divertiu e nunca achou que ficar com um cara deveria ser prioridade da noite. A garota tinha ótimas histórias das farras com amigas e quando o drama do amor se aproximava da sua vida, ela fugia. Estava lá sempre para dar conselhos, prevendo todas as desilusões amorosas dos outros, que sempre pagavam para ver e sofriam de consequência. 

Por muito tempo, eu fugi (voltando a primeira pessoa, já que todos sabem que ela sou eu) dos relacionamentos, porém com 17 anos decidi que quebraria a regra dos 5 e que precisava passar por essa experiência de namoro, afinal todas as amigas já viveram essa experiência e rolava uma certa pressão. Seria o meu próximo passo, com nível de pouco apego, obviamente. O primeiro cara que surgiu parecendo estar disposto a ideia do namoro, era cilada. Na verdade ele não estava disposto, na verdade era um cara mais velho tão imaturo que não conseguia arranjar garotas da sua idade e ficava enganando as novinhas. Eu tinha uma noção, de tudo aquilo, mas eu queria poder dizer que tinha passado por aquela experiência de ter um namorado e rolou umas 3 semanas. De jeito nenhum foi namoro, o cara era uma escolinha de safadagem e eu também não acreditava naquilo como relacionamento, fiquei até com outros cara e soube que ele ficou com outras (inclusive engravidou uma no período), apesar de que em alguns momentos eu forcei a barra para parecer namoro ou para me sentir em um

Essa parte da história é essencial para que vocês saibam, que foi a partir dela o meu desapego. Pensei "eu não posso controlar o mundo, vou deixar fluir, quebrar as regras e se for para sofrer é melhor que eu sofra de amor do que por pensar demais". Foi ai começou tudo, a história dos meus relacionamentos e comecei a ficar com um outro cara, de fato dessa vez, que vou chamar de A. (de cara um), logo depois a namorar firme: viajamos juntos; ele conheceu minha casa e minha família, eu conheci a casa e família dele; íamos a festas juntos; saímos em grupos de amigos. Ele era um cara prestativo, conquistou logo uma parte da minha família, porém era um pouco grosso, tinha medo de se sentir dominado, de entregar o coração, nunca dizia o quanto gostava de mim, bebia muito. Nós eramos muito cabeças duras, brigávamos, xingávamos e rolou barraco algumas vezes. Com tudo isso resolvi acabar, foi muito triste, depois de 9 meses eu me apaixonei sem perceber. Não ficava chorando em casa, mas sentia uma saudade que apertava no fundo e eu ligava de vez em quando ainda para saber como andavam as coisas. Ele não quis voltar.

Passei 3 meses solteira, achei mais um pretendente, que  não precisava fazer muito para me conquistar, eu já prestava atenção em B. há algum tempo. Esse era mais divertido, um pouco mais cabeça fria, não se estressava tanto; apesar de ter tido um trauma antigo, se esforçava para demonstrar que gostava de mim. Eu era mais tranquila nesse relacionamento, passei a ser um pouco mais ciumenta, mas sem alarde e loucura, até mesmo porque ele me incluía bastante, B. também era um pouco mais ciumento. Depois de 2 anos juntos, ele foi me perdendo. Começou a dar muito valor aos amigos, a mentir, começou a beber mais e ainda não fazia eu me sentir amada. Decidi terminar, mas com B. não quis mais conversa, tinha um carinho por ele de fato, queria que fosse feliz, contudo estava decida a não participar mais desse tipo de relacionamento.

Passei mais 3 meses solteira (o período padrão), foi então que apareceu um cara que fez de tudo para me conquistar. Apesar das declarações de amor desse C, tão diferente de todos os que eu já havia me envolvido, eu fui relutante. Quis aproveitar a vida, ser solteira, conhecer gente nova, lugares novos... me amarrar não era o plano. O rapaz começou a se tornar presente cada vez mais e eu resolvi dar a chance, começar a retribuir. A personalidade era bem sentimental, romântico, carinhoso, não bebia. Minha mãe amava ele! Passamos por muitos momentos difíceis, mas ele é extremamente paciente, me apoia em tudo no mundo que eu decidir fazer. O único que me acha linda de manhã com cara de sono, que gosta quando eu canto, que me diverte, meu maior amor e meu melhor amigo. Já são 3 anos.

Aquela menina de 10 anos, jamais imaginou que seria tão feliz ao lado de alguém, que pensaria em uma vida a dois e em construir uma família.

A., B. e C. me concederam experiências maravilhosas, me fizeram experimentar sentimentos nunca imaginados, mesmo todos eles sendo a mesma pessoa, mas foram experiências tão distintas, que eu sinto no fundo como se fossem 3 relacionamentos diferentes, que de fato foram. Nós passamos juntos muitos anos e por muitas coisas, mudamos na forma de nos comportar, de ver a vida e de amar. Houve tempos de paixão, de acomodação e de dúvidas no nosso relacionamento, porém hoje digo-lhe seguramente que hoje só existe amor. Não de falar por falar, não apenas de fazer declarações nas redes sociais (porque não costumamos fazer), mas por sabermos que existe um sentimento, vontade de partilhar uma vida. Já passamos da paixão, nos livramos da acomodação e hoje não há dúvidas, apenas a certeza de um sentimento puro.

*Que fique claro antes dos caras A, B e C, eram outros de fato, só a partir daí que começa o meu primeiro namorado.

E você já achou o seu?

Xerim!

Comentários

  1. Eu jurava que A, B e C eram pessoas diferentes, vc os descreveu tão diferente! Pelo jeito ele amadureceu depois de virar pai, e depois de perder vc duas vezes. A terceira ele ta fazendo vale a pena até hoje!!!
    Felicidades para vcs!
    Bjs

    http://achadosdamila.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pai não mulher. Kkkkkkkk, Deus me livre. Esse foi antes, do cara A. Foi o motivo pra eu deixar de regrar a vida e controlar tudo.
      Vou ver se ajeito o texto pra ficar mais claro.

      Bjus

      Excluir
  2. Que legal sua história!!! Não imaginava que eram a mesma pessoa ahaha. Eu também já achei o meu.

    beijo
    www.belatriz.info

    ResponderExcluir
  3. Ameeei o texto, sabe tive experiencias bem parecidas, estou no meu C também, e apesar de ser pouco tempo a gente tem uma sintonia incrível, sinto algo que nunca senti por ninguém sabe? Enfim, amei a sua historia, e boa sorte com o seu C haha
    http://www.teoremademari.com.br/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Disqus

Instagram